quinta-feira, setembro 22, 2005

O poeta das mil faces
By Eu Mesmo


Eu queria ser um Poeta que não soubesse declamar,
Daqueles, que somente rindo ou chorando,
Expressassem mais do que palavras ressoando,
Escrevendo poesia em corações, só com o olhar

Eu queria ser um poeta do absurdo, do ridículo,
Daqueles que zombam de todos os zombeteiros,
Que da graça, do gozo e da fortuna são herdeiros,
Proseando a vida muito além de um mero testículo

Queria eu ser o poeta das sombras, misterioso,
Que belicoso, vai a luta, da algazarra a surdina,
Dos que vencem a batalha do raiar de cada matina,
Dos que se se impõe ao mundo com rugido poderoso

Mas só sou dos fracos poetas de canções de amor,
Que egoístas, cantam seus ganhos e suas perdas,
Rumando tão inexoráveis para as mesmas veredas,
Enclausurando em nosso ser, toda a glória e esplendor...


Éramos
By Eu Também



Éramos somente duas respirações em um corpo só,
èramos assim, da luz a luz, do pó ao pó,
Éramos como aves singrando as alturas,
mitos em comunhão, traçando vidas futuras

Éramos simples, até nas brigas éramos unidos,
Éramos algo além do que apenas "queridos",
Éramos um pouquinho mais, do que se esperaria,
Pois éramos, certinho, o que cada um queria

Éramos verdadeiros, como crianças, nós brincavamos,
Éramos tão matreiros, como fogo, nos amavamos,
Éramos como chaves, chaves dos campos da felicidade,
E, ao mesmo tempo, esta metáfora de cumplicidade

Éramos Fábulas crescidas, realidade romanceada,
Éramos bem distantes, da rotina cadênciada,
Éramos nova força, para tudo a que viríamos.....
.Éramos, é porém mais um simples seríamos



O que sei
By Antonio Tadeu (que sou eu, igualmente)


Sei da tua dor e do amargor de ser quem é
Sei das despedidas, dos custos e da falta de fé,
Sei que ser você é difícil, irrepitivel até,
Mas sei que existe mais além do óbvio que sei,
Das cousas tão incriveis, que aprendi onde errei,
Eu sei o que senti, e, creia, sempre sentirei,
Consinto a ti, numa cega exclamação em flamas,
O fluir das palavras, das alegrias que conclamas,
No verbo inusitado e ousado, lido para quem chamas,
Nascendo no ruir dos lábios e no açoite da língua,
Neste doce açoite da felina que deixas a míngua,
Que me dá grito a garganta, que amarga, te xinga,
Que ferida me faz sentar sem saber de mais nada,
Pois o que sei além de qual face minha, enamorada,
É cuspida e escarrada do mel saido da boca almejada,
Em um doce alento que insulta sem querer insultar,
Sem saber querer me ensinar a parar de lhe desejar,
Sabendo que neste mundo, a cada segundo, só sei te amar...

2 comentários:

MiLa disse...

Oii Antônio, td bem??
Aki eh a namorada do Ricardo!
Achei seu blog pelo flog da Carlinha! (Que complicação!)
Não consegui ler seu roteiro,
mas amei as poesias, rapaz,
você tem talento demais!
Se você quiser me emprestar a "Éramos" um dia, p/ postar no meu blog, que está abandonado, mas eu tô querendo atualizar, eu ficaria agradecida por demais!
rsrs*
Me apaixonei por ela!
rsrs*
Beijinhos, c cuide, e até!

Beatriz disse...

Meu Deus... Da onde vem tanto "talento"... e AMOR!... Lindo de mais, quero salva no meu computador pra ficar lendo, hehe...

Não ia comentar mais, pq já dexei um comentário lá em cima, mais eu adorei suas poesias e foi inevitável não comentar...